Pedras na vesícula


Pedras na vesícula

Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, o fígado é o órgão relacionado à raiva, e quando falamos em raiva normalmente nos vem à cabeça a imagem negativa dela: a agressividade. Mas a raiva quando bem direcionada é extremamente positiva, pois leva o ser humano à ação. Sem a raiva para nos mover, ficamos apáticos e sem condições de agir e transformar o mundo à nossa volta.

O fígado produz a bílis, uma secreção de cor verde e gosto amargo que é armazenada na vesícula biliar e, pouco a pouco, liberada no processo digestivo. É interessante notar que muitas vezes ouvimos frases que demonstram o quanto o físico e o emocional caminham de mãos dadas: "Fiquei verde de raiva" ou "Cheguei a sentir um gosto amargo na boca quando fulano disse aquilo", por exemplo.

Cada vez que sentimos raiva ou que nossa agressividade é despertada, um fluxo de energia emana do fígado e logo é transferido para a vesícula biliar, onde aguarda a oportunidade de se expressar. Se essa oportunidade não acontece, o fluxo energético fica estagnado, sem canal de liberação e aos poucos, com a repetição do processo ao longo dos anos, acaba por se "cristalizar" na forma de cálculos biliares ou, como são mais conhecidos, pedras na vesícula.

Muitas pessoas não têm consciência da própria raiva e, portanto, não são capazes de expressá-la, de dar vazão a ela de forma positiva e construtiva. Este é o caso das pessoas que estão sempre disponíveis para ajudar os outros, que costumam se sacrificar e adiar os projetos pessoais pelos filhos, pelos pais ou pelos irmãos. Elas não se dão conta do custo disto em termos de realização profissional, afetiva e pessoal, não percebem o quanto isto as incomoda no íntimo de seu ser e vão repetindo o processo indefinidamente. O fato de não terem plena consciência do impulso de raiva não as impede de ficarem ressentidas, magoadas e, algumas vezes, até amarguradas com isso (a bílis é amarga).

"Deixar o barco correr" sem tomar uma atitude; deixar de realizar algo para si próprio; não se sentir livre para expressar ou realizar o que deseja; despender a própria energia para cuidar de tudo e de todos a sua volta, adiando projetos pessoais indefinidamente; e priorizar as necessidades da família em detrimento de si próprio são alguns exemplos práticos de como o fluxo energético do fígado pode ser reprimido e permanecer estagnado, levando à formação das pedras na vesícula.

 

Publicidade

NÃO É À TOA QUE AS MULHERES SÃO MAIS AFETADAS POR ESTE PROBLEMA!!!

Ter consciência da própria raiva em relação a uma situação e se sentir incapaz de agir para modificá-la também gera um bloqueio da energia do fígado e, consequentemente, pode levar à formação dos cálculos. Quando uma pessoa não consegue agir para transformar algo é muito comum que ela assuma uma atitude crítica. Ela passa então a criticar tudo e todos ao seu redor!

O que fazer?

- Faça uma auto-análise e reconheça para si própria o quanto abriu mão de seus projetos pessoais.

- Perceba o quanto isto a incomoda e o que é possível fazer para reverter o quadro, saindo da vibração energética da crítica pura e simples. Se puder fazer algo a respeito, faça!

- Dê livre expressão aos seus pensamentos e comece a agir.

- FAÇA ALGO POR VOCÊ MESMA!

- EVITE o chá de CARQUEJA, pois ele aumenta a produção de bílis pelo fígado e complica um pouco mais a situação de quem já tem pedras na vesícula.

- A terapia floral pode ajudar a desbloquear o fluxo energético estagnado, levar ao autoconhecimento e à livre expressão do seu ser.

Florais indicados do Sistema Floral de Minas:

ZINNIA, SAMBUCUS, PSIDIUM, TARAXACUM, FOENICULUM, MIRABILIS, BASILICUM, PHYLLANTHUS, TRIMERA, MIRABILIS

- O REIKI é uma terapia energética capaz de desbloquear fluxos energéticos estagnados, sendo portanto muito indicado no combate às pedras na vesícula.

- O tratamento médico convencional não deve ser descartado, pois muitas vezes o bloqueio energético chegou a tal ponto que os danos físicos só podem ser reparados com uma cirurgia. É importante lembrar porém, que a atitude básica que levou à formação das pedras vai continuar existindo e com certeza buscará uma nova forma de vir à tona.